10 de março de 2009

Eu sei... mas não devia


Um texto lindo da Marina Colasanti, que nos faz refletir...

beijos a todos



Eu sei, mas não devia


Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia.
A gente se acostuma a morar em apartamento de fundos
e a não ter outra vista que não seja as janelas ao redor.

E porque não tem vista, logo se acostuma a não olhar para fora.
E porque não olha para fora logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas.
E porque não abre as cortinas logo se acostuma acender mais cedo a luz.
E a medida que se acostuma, esquece o sol, esquece o ar, esquece a amplidão.

A gente se acostuma a acordar de manhã sobressaltado porque está na hora.
A tomar café correndo porque está atrasado.
A ler jornal no ônibus porque não pode perder tempo da viagem.
A comer sanduíche porque não dá pra almoçar.
A sair do trabalho porque já é noite.
A cochilar no ônibus porque está cansado.
A deitar cedo e dormir pesado sem ter vivido o dia.

A gente se acostuma a abrir o jornal e a ler sobre a guerra.
E aceitando a guerra, aceita os mortos e que haja número para os mortos.
E aceitando os números aceita não acreditar nas negociações de paz,
aceita ler todo dia da guerra, dos números, da longa duração.

A gente se acostuma a esperar o dia inteiro e ouvir no telefone: hoje não posso ir.
A sorrir para as pessoas sem receber um sorriso de volta.
A ser ignorado quando precisava tanto ser visto.
A gente se acostuma a pagar por tudo o que deseja e o de que necessita.
A lutar para ganhar o dinheiro com que pagar.
E a ganhar menos do que precisa.
E a fazer filas para pagar.

E a pagar mais do que as coisas valem.
E a saber que cada vez pagará mais.
E a procurar mais trabalho, para ganhar mais dinheiro, para ter com que pagar nas filas que se cobra.

A gente se acostuma a andar na rua e a ver cartazes.
A abrir as revistas e a ver anúncios.
A ligar a televisão e a ver comerciais.
A ir ao cinema e engolir publicidade.
A ser instigado, conduzido, desnorteado, lançado na infindável catarata dos produtos.
A gente se acostuma à poluição.

As salas fechadas de ar condicionado e cheiro de cigarro.
A luz artificial de ligeiro tremor.
Ao choque que os olhos levam na luz natural.
Às bactérias da água potável.
A contaminação da água do mar.
A lenta morte dos rios.

Se acostuma a não ouvir o passarinho, a não ter galo de madrugada, a temer a hidrofobia dos cães,
a não colher fruta no pé, a não ter sequer uma planta.
A gente se acostuma a coisas demais para não sofrer.

Em doses pequenas, tentando não perceber, vai se afastando uma dor aqui,
um ressentimento ali, uma revolta acolá.
Se o cinema está cheio a gente senta na primeira fila e torce um pouco o pescoço.
Se a praia está contaminada a gente só molha os pés e sua no resto do corpo.

Se o trabalho está duro, a gente se consola pensando no fim de semana.
E se no fim de semana não há muito o que fazer a gente vai dormir cedo
e ainda fica satisfeito porque tem sempre sono atrasado.

A gente se acostuma para não se ralar na aspereza, para preservar a pele.
Se acostuma para evitar feridas, sangramentos, para esquivar-se
da faca e da baioneta, para poupar o peito.
A gente se acostuma para poupar a vida que aos poucos se gasta e, que gasta,
de tanto acostumar, se perde de si mesma.


E como nos perdemos...
quantas vezes perdemos nossa essencia...
nosso querer...
nosso saber...
O quanto deixamos muitas vezes de apenas sentir...

8 comentários:

FRAN "O Samurai" disse...

Oi amiga!

A gente se acostuma com tudo mesmo né? Isso é uma coisa ruim do ser humano, a de acostumar-se e deixar de viver por pura preguiça, por pura falta de reflexão, por causa desse sistema que nos mantém na linha, dessa rotina do cotidiano, dessa vida de casa, trabalho, trabalho, casa...

Tá na hora de mudar isso não é mesmo? Tá na hora de abrir os olhos, erguer a cabeça e enxergar o horizonte... Lá está a nossa verdadeira vida, nossa essencia, nossa paz!

Vamos quebrar as correntes dessa escravidão e VIVER!

Adorei esse texto! Pensante...

Beijos.

...EU VOU GRITAR PRA TODO MUNDO OUVIR... disse...

Esse texto é incrível!Bela escolha!

Pior é que a gente se acostuma,mesmo....

Beijos!Sonia Regina.

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

Assim como o oceano só é belo com o luar
Assim como a canção só tem razão se cantar
Assim como uma nuvem só acontece se chover
Assim como o poeta só é grande se sofrer
Assim como viver sem ter amor não é viver

(Vinícius De Moraes/tom Jobim)

Desejo a você um resto de semana maravilhoso
Abraços. Eduardo Poisl

Tatiana disse...

Um belíssimo texto!

...desejo uma semana rica em dádivas para o seu coração!

Um abraço carinhoso

Pelos caminhos da vida. disse...

FELIZ DIA DO BLOGUEIRO".

beijooo.

manzas disse...

Sublime!
Nos faz reflectir!

Habito nos teus olhos luz, brilho de encanto!
Respiro das janelas do teu rosto o sorriso
Dos cabelos, soltas o perfume que preciso
Castelo do teu ser em que por ele amo e canto

Desejo um resto de um bom dia!

O eterno abraço…

-MANZAS-

Tatiana disse...

Um belíssimo texto!

Um belo final de semana para você e para todas as pessoas que estão em seu coração!

Um beijo carinhoso

Ana Paula Duarte disse...

"E como nos perdemos...
quantas vezes perdemos nossa essencia...
nosso querer...
nosso saber...
O quanto deixamos muitas vezes de apenas sentir... "
Perfeita essa última estrofe!
É, e pior q é verdade, estamos tão acostumados ao individualismo e a falta de sentimentos, que qd sentimos, reclamamos...